News

5 empresas que pivotaram para se tornarem um sucesso

Uma das maiores lições que as startups trazem ao mercado é: mudar no meio do caminho não é um fracasso.

Em alguns momentos, pode ser exatamente o necessário para prosperar. Não por acaso, o ecossistema possui até uma palavra própria para isso: pivotar, que significa mudar completamente a direção ou o propósito de uma empresa. Ao longo dos anos, diversas companhias passaram por mudanças pra alcançarem o sucesso que vemos hoje.

Eric Ries, autor de The Lean Startup, define a pivotagem como “uma correção de curso estruturada, projetada para testar uma nova hipótese fundamental sobre o produto, a estratégia e o mecanismo de crescimento”.

Geralmente quando você está construindo um produto, e está na fase inicial, você tende a usar uma tecnologia que vai entregar mais rápido os resultados, e isso irá validar essa idéia. Entretanto, na maioria das vezes, o potencial de escala dela não será muito bom.

Por isso, separamos 5 grandes empresas que pivotaram no meio do caminho:

1. Nike

Bill Bowerman e Phil Knight em Oregon, testando seus calçados de corrida.

A Nike foi criada em 1964 como “Blue Ribbon Sports”, por Bill Bowerman e Philp Knight. A companhia distribuía sapatos da companhia japonesa Onitsuka Tiger. A transformação para a Nike que conhecemos, que cria e fabrica os próprios modelos, veio apenas em 1971.

Relembrando os primórdios, a Nike lançou uma loja da Blue Ribbon Sports em 2019, especializando a marca em corridas. A empresa também lançou coleções temáticas utilizando seu nome e logo anteriores.

2. Amazon

Jeff Bezos no início da Amazon.

Criada por Jeff Bezos em 1994, a Amazon nasceu como um e-commerce de livros. No entanto, a empresa saiu do mercado editorial e foi além, tornando-se a varejista “de tudo”. A transformação é digna de uma “pivotada”, pois as decisões mudaram completamente o destino da empresa.

Atualmente, a Amazon está presente no setor de jogos, alimentação, eletrônicos, logística, computação em nuvem, entre outros.

3. YouTube

Com 19 segundos de duração, “me at the zoo” foi o primeiro vídeo do YouTube, em 2005.

O YouTube nasceu em 2005, quando os ex-funcionários do PayPal Chad Hurley, Steve Chen e Jawed Karim se uniram. O objetivo era de criar uma plataforma de encontros através de vídeos.

O apelo inicial não teve muitos adeptos, o que fez com que os fundadores permitissem o upload de vídeos de qualquer tema. Atualmente, o YouTube é a maior plataforma de vídeos da internet.

4. Sambatech

Sede da Sambatech

Criada em 2004, a Sambatech distribuía jogos de celular em toda a América Latina. Cinco anos depois, após diversas mudanças no setor de telefonia, a empresa pivotou para se tornar uma plataforma de distribuição de vídeos online, com foco em ensino à distância.

5. Instagram

Sede do Instagram em Nova York.

O Instagram foi criado em 2010 pelo norte-americano Kevin Systrom e pelo brasileiro Mike Krieger. Naquela época, não haviam as “selfies”, pois fugiam completamente do propósito da plataforma. A empresa unia fotografias de estabelecimentos (restaurantes, por exemplo) com a geolocalização, funcionando de forma semelhante ao Foursquare.

Com o tempo, e principalmente após a aquisição do Facebook, o Instagram tomou o rumo de fotografias em geral.

Ver mais
News

O que é MVP? Para o que ele serve?

Abrir uma empresa, além de complexo e trabalhoso, é um grande salto que pode mudar a carreira e o futuro de um empreendedor. Dentre todos os passos que envolvem o desenvolvimento de um negócio, existem alguns estudos que trabalham justamente em evitar erros técnicos, sejam eles no produto ou serviço que se pretende comercializar, conhecidos como MVP.

Para entendermos melhor o que é MVP (Minimum Viable Product, ou Produto Mínimo Viável), precisamos contextualizá-lo, afinal, a construção de um MVP pode ser confusa. 

Além de fundamental para transformar uma ideia em empresa de maneira certeira, o MVP leva seus fundadores para o caminho certo conforme recebe o feedback dos clientes, que muitas vezes concedem informações baseadas em sua opinião e reação.

Exemplo de MVP correto

Sobre o MVP

O conceito de MVP nasceu da mentalidade Lean, mais precisamente por Eric Ries, um empreendedor do Vale do Silício. 

“Nós temos uma chance, vamos acertar construindo o produto mais perfeito possível”

Eric Ries

De maneira geral, o MVP serve para medir a viabilidade de um negócio. São feitos testes com o público e, ao receber o feedback, são feitas alterações no desenvolvimento da empresa. O produto mínimo viável nada mais é uma versão simplificada do produto ou serviço fornecido, de uma maneira que possam ser feitos testes de mercado.

A necessidade de ser viável se deve ao fato de que é necessário testes de aceitação do cliente. Essa medida serve para o aprendizado rápido do que fazer para que uma ideia se transforme em realidade. Com esse retorno são aplicadas melhorias no desenvolvimento da ideia inicial do empreendedor, até que se obtenha uma versão ideal do projeto da empresa.

Por que utilizar?

O MPV vai se atualizando conforme as respostas dos clientes. Ele se modifica e se transforma a cada análise. É um ciclo sem fim, o produto é testado, com a opinião dos testadores ele se transforma e vai de novo para testes.

Recomenda-se o uso do Produto Mínimo Viável para economizar tempo no desenvolvimento do produto. A não utilizar o MVP, as empresas podem acabar gastando horas desenvolvendo algo que não irá agradar o cliente. Além disso, seu custo operacional é extremamente baixo comparado com outros métodos, por isso, além de economizar dinheiro, fica fácil atender o potencial cliente.

Por isso, o MVP é necessário para economizar dinheiro tentando descobrir se uma ideia vai atender a necessidade e resolver o problema do público. Ele deve representar o que a empresa deseja, alinhando as expectativas com a realidade.

Ver mais