News

Internet of Things: o projeto de lei que deve ser comemorado

Você já ouviu falar do conceito Internet of Things? Basicamente, estuda-se a possibilidade de interconectar digitalmente objetos cotidianos com a Internet. Em outras palavras, a Internet das Coisas (nome em português) nada mais é que uma rede de objetos físicos capazes de reunir e de transmitir dados.

Por meio de computação de baixo custo, como nuvem, big data, análise e tecnologias móveis, as coisas físicas podem compartilhar e coletar dados com intervenção humana mínima. Neste mundo hiperconectado, os sistemas digitais podem registrar monitorar e ajustar cada interação entre coisas conectadas. No fim, o mundo físico encontra o conectado.

No Brasil, esse tema vem sendo analisado desde 2016 entre setores públicos, como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC). Ambos elaboraram um diagnóstico e um plano de ação para até 2022 no Brasil, que contempla mais de 70 iniciativas para inovação, capital humano, ambiente regulatório e conectividade.

Para André Telles, assessor de inovação da Celepar e autor de cinco livros sobre tecnologia, essa evolução do IOT, em termos de telecomunicação, é tão importante quanto a que ocorreu com a telefonia móvel celular, o advento das mídias sociais, aplicativos e o processo de migração das emissoras de TV para a internet.

André Telles é especialista em governos inteligentes, palestrante e professor.

“Foi aprovado pelo senado o Projeto de Lei 6549/2019, que isenta os dispositivos de Internet das Coisas das contribuições setoriais, é um marco histórico para o avanço da conectividade e do desenvolvimento das telecomunicações no Brasil. Essa é a avaliação da Conexis Brasil Digital, nova marca do SindiTelebrasil, entidade que representa as operadoras do setor de telecomunicações no Brasil”, explica Telles.

Em uma postagem no Twitter, o Ministério das Comunicações afirmou que o Projeto de Lei segue para a sanção do Presidente da República e a expectativa é de que a medida gere mais de 10 milhões de empregos e impulsione a conectividade de dispositivos com uso de 5G. 

Nos últimos anos, países como a China e os EUA, potências mundiais, escolheram a IOT como setor chave e prospectava US$ 180 bilhões para 2020. Por isso, precisamos continuar avançando no Brasil quando o tema é Internet das Coisas e a aprovação do senado da PL deve ser comemorada.

Confira esse vídeo da TecMundo, que explica mais sobre a Internet das Coisas
Ver mais
News

Ecossistemas de startups da América Latina e o destaque curitibano

Atualmente, tem se falado muito em startups, unicórnios e o seu crescimento vertiginoso em todo o mundo. Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), nos últimos quatro anos, entre 2015 e 2019, o número de startups no Brasil mais que triplicou, passando 4.151 para 12.727, um salto de 207%. A América Latina, num âmbito geral, tem se mostrado uma região onde empreendedores andam apostando na abertura e desenvolvimentos de startups, seja criando suas próprias ou investindo em ideias elaboradas por outros.

De acordo com um estudo desenvolvido pela The Global Startup Ecosystem Report 2020, publicado no dia 25 de junho deste ano, cinco cidades latino-americanas se destacam por hospedarem alguns dos ecossistemas de startups que mais se crescem no mundo, seja por seu potencial ou por suas ideias.

Ecossistemas de startup da América Latina (Fonte: Entrepreneur)

Segundo o gráfico divulgado pela organização, que avaliou outras 270 cidades da américa-latina, Bogotá e Cidade do México possuem as pontuações mais altas desse ranking, embora cada uma se destaque em um segmento correspondente. A capital mexicana, por exemplo, se destaca nos talentos humanos. com uma pontuação de 9, numa escala de 1 a 10.

No Brasil, a cidade de Curitiba, capital do Paraná, é a única incluída nesse gráfico. Ela é a única metrópole que não é capital nacional, além disso, foi a que obteve melhor nota no desempenho geral do ecossistema de startups, com pontuação de 7 em 10. Curitiba foi a cidade que viu o nascimento da fintech Ebanx, uma das últimas startups da américa-latina a ver seu status crescer a nível de unicórnio. A mesma ainda obteve a nota mais alta pelo valor total de ecossistema e pelo nível geral de sucesso das startups que optam por hospedá-lo.

Num contexto geral, comparado com outros centros emergentes de startups pelo mundo todo, os locais latino-americanos possuem uma baixa pontuação no alcance de mercado, onde apenas Bogotá de destaca.

Ver mais