Atualmente, tem se falado muito em startups, unicórnios e o seu crescimento vertiginoso em todo o mundo. Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), nos últimos quatro anos, entre 2015 e 2019, o número de startups no Brasil mais que triplicou, passando 4.151 para 12.727, um salto de 207%. A América Latina, num âmbito geral, tem se mostrado uma região onde empreendedores andam apostando na abertura e desenvolvimentos de startups, seja criando suas próprias ou investindo em ideias elaboradas por outros.

De acordo com um estudo desenvolvido pela The Global Startup Ecosystem Report 2020, publicado no dia 25 de junho deste ano, cinco cidades latino-americanas se destacam por hospedarem alguns dos ecossistemas de startups que mais se crescem no mundo, seja por seu potencial ou por suas ideias.

Ecossistemas de startup da América Latina (Fonte: Entrepreneur)

Segundo o gráfico divulgado pela organização, que avaliou outras 270 cidades da américa-latina, Bogotá e Cidade do México possuem as pontuações mais altas desse ranking, embora cada uma se destaque em um segmento correspondente. A capital mexicana, por exemplo, se destaca nos talentos humanos. com uma pontuação de 9, numa escala de 1 a 10.

No Brasil, a cidade de Curitiba, capital do Paraná, é a única incluída nesse gráfico. Ela é a única metrópole que não é capital nacional, além disso, foi a que obteve melhor nota no desempenho geral do ecossistema de startups, com pontuação de 7 em 10. Curitiba foi a cidade que viu o nascimento da fintech Ebanx, uma das últimas startups da américa-latina a ver seu status crescer a nível de unicórnio. A mesma ainda obteve a nota mais alta pelo valor total de ecossistema e pelo nível geral de sucesso das startups que optam por hospedá-lo.

Num contexto geral, comparado com outros centros emergentes de startups pelo mundo todo, os locais latino-americanos possuem uma baixa pontuação no alcance de mercado, onde apenas Bogotá de destaca.